Sombras

– Meu amor, eu senti tanto a tua falta. Por quanto tempo? Já não sei. E que diferença pode fazer? O tempo perde o sentido quando se está em outra realidade. Por que demorou tanto?

– Eu não sei, mas eu me sinto tão sozinha agora. Tudo o que eu tinha chegou ao fim, eu me sinto abandonada por tudo, por todos, pelos meus amigos, procuro e não encontro, não vejo ninguém ao meu lado.

– Porque nunca estiveram, é simples.

– Em teus olhos eu vejo… Tu sempre soubes, não é? Sabia que terminaria assim.

– É fácil enxergar à distância, a visão se torna clara. E, ainda assim, tão impossível de alterar o que já parece marcado para acontecer.

– Fica comigo. Não me deixes sozinha. Eu preciso de ti. Eu preciso das tuas mãos, da tua companhia, eu não consigo mais ficar assim.

– Eu esperei tanto por este momento e é tão triste. É tarde demais, tu sabes disso, não sabes?

– Por quê? Não, nunca é tarde, sempre há tempo, sempre se pode quando se quer de verdade. Fica comigo. Tu queres, não quer? Por que não ficaria comigo?

– Ficarei contigo, sempre, assim como sempre ficaste comigo mesmo longe. Porém, da forma que tu queres que eu fique, não aqui, não agora, não mais, nunca mais. Visto de longe o tempo não existe, é uma ilusão, mas, ainda assim, ou por isso mesmo, agora é tarde demais.

E seus olhos desvaneciam como névoa enquanto o som das últimas palavras desaparecia na perfeição do silêncio, enquanto todo ele se apagava na grande imensidão ilusória do tempo, nos caminhos perdidos da memória, deixando apenas as lágrimas nos olhos dela.

Não haveria abraços porque não havia braços, nem mãos para o adeus.

Corpore sano

É bem ridículo, se pararmos para pensar. Ficamos trancados em nossos empregos por oito horas todo dia teoricamente por vivermos e mantermos um mundo que nos dá conforto, para ganharmos dinheiro para o nosso sustento. No entanto, por passarmos todo esse tempo com nossas bundas em cadeiras, precisamos pagar o que ganhamos por ficarmos presos em escritórios para perdemos mais tempo de nossos dias fazendo exercício trancados em academias, para compensar todo o tempo que passamos não utilizando nosso corpo para o que ele foi feito para fazer, para podermos queimar todas as calorias a mais que colocamos em nosso corpo tentando compensar a insatisfação que temos por estarmos presos a trabalhos medíocres que não produzem nada.

Temporais

Temporais tempos atrás
Mas já faz tanto tempo
Tentei tanto algo mais
Tanto faz, que haja paz

Pelo vento sopra o tempo
Que eu tento não lembrar
Só fez se acumular
Preservado em cristais
Que já não falam mais

Que haja sol, hoje só
Tudo retorna ao pó

Encontro na praia

Eu tive mais um encontro com ela hoje. Foi em uma praia: a noite estava amena, o céu estrelado, o mar agitado. Noite perfeita para um encontro.

Não precisei esperar muito – ela sempre chega na hora marcada. É bem verdade que as nuvens atrasaram um pouco que ela se mostrasse, mas foi até mais bonito assim. Quando ela finalmente surgiu estava radiante, como uma noiva se mostrando aos poucos entre os véus, como o mistério da existência surgindo entre as brumas do desconhecido.

E assim ficamos algum tempo, namorando um ao outro. Perfeitos momentos de admiração.

Bem sei que ela não é só minha, mas amor não é possessivo. Saber disso só aumenta ainda mais a verdade que existe na beleza dela, na atração que ela exerce sobre os homens, os animais e as marés.

Linda Selene, minha paixão mais antiga, minha companheira mais duradoura.